sábado, 3 de julho de 2010

história 201: bicha má ou o poder da roupa

eu estava no James Bar - pra variar – dançando, cantando, bebendo, sorrindo, conversando e outros muitos gerúndios de uma pessoa ungida na glória da noite. adquiri uma Heineken – porque sou apaixonado pela verdinha – e subi para a parte de cima do bar. fiquei por ali observando as pessoas, vendo o DVD do Arctic Monkeys que passava pela 150ª vez - só naquela noite. fiquei aguardando algo acontecer, e aconteceu.

a bicha, trabalhada na maldade, caminhou em minha direção, parou sorridente e disse num tom de deboche:

- camiseta Riachuelo, né?!

fiquei 10 segundos em silêncio, imóvel, com minha melhor cara de origami – sem expressão –, incredulo e antes de agir, pensei qual era o sentido daquela abordagem fail, depois pensei em tudo que eu poderia fazer com aquela homossexual passiva. eu poderia (a) dar um grito estridente e avançar com minha Gillette na mão pra rasgar a cara da desgraçada, mas isso causaria minha expulsão do bar, (b) cuspir na cara da maligna e sair fina ou (c) não falar nada, virar as costas e voltar pra pista e dançar feito biscate. o mais prudente era sair e fingir que nada tava acontecendo e voltar pra meus gerúndios de um ser ungido. mas eu, trabalhada na glória, apenas disse:

- é verdade, a camiseta é Riachuelo, mas sabe qual a diferença entre ela em mim e em você?

a bicha não disse nada, mas o olhar demoníaco se mantinha. eu continuei:

- a diferença é que em mim, nenhum deles vai crer que é uma Riachuelo, não que isso tenha problema, mas em você, meu amor, não garanto.

(bate cabelo) desci a escada e voltei a dançar, sem dar chance para o exu-gay falar algo. e pra falar a verdade, nem o vi o resto da noite inteira. fim da história, mas eu não poderia deixar de questionar – outra vez: qual o objetivo dessa abordagem, gente? o que essa pessoa ganhou identificando, o que, teoriacamente, seria uma camiseta de uma marca “inferior” – inferioridade, talvez comprovada, caso fosse comprada a um Armani, Calvin Klein, enfim...? sim, eu uso C&A, Renner e Riachuelo. sim, eu acho peças que me agradam nessa lojas de fast fashion, uso e não nego. acredito que a roupa não faz de você, o que você é. ou melhor, não é sua roupa, exclusivamente, que te torna o que você. não to aqui pra desmerecer o poder da indumentária, até porque, eu faço faculdade de moda e isso sério uma hipocrisia imensa, acredito no poder da roupa, mas pare e pense, se tratando de roupa: tudo é efêmero. quem dá importância pra roupa, somos você e eu, porque no fim elas só servem pra nos proteger do frio, do calor e cobrir nossos orgãos sexuais. pronto!

no fim, um ser humano desses é digno de pena. super valoriza o que não deveria ser super valorizado, mas nesse mundo, é cada um por si e, tomara, que Deus por todos. vou te contar...

11 comentários:

  1. tb uso
    e adorei sua resposta!!!

    ResponderExcluir
  2. A-do-rei, foi muito digna sua resposta, realmente é difícil entender algumas pessoas e algumas atitudes como essa. Sobre moda eu gosto de saber o que anda acontecendo e talz, mas não tenho problemas com marcas ou coisas do tipo, concordo contigo, gosto de saber porque é muito legal desfiles e aquelas coisas mais extravagantes, conceituais... enfim...

    ResponderExcluir
  3. É bem isto mesmo! O seu post me trouxe algumas referências interessantes como o belo livro de Gilles Lipovetsky, 'O Império do Efêmero' e a lógica aristotélica. A roupa não é inferior em si mesma, mas no juízo a posteriori que se faz dela. A propósito, como consumidor (tento ser consumidor e não consumista, rs)eu não acho que roupas da Riachuelo, C&A, Renner são inferiores, pois as camisetas que eu compro duram anos e anos!
    De todo modo espécimes como o protagonista deste seu post são efetivamente dignos de pena! Abraços, gostei bastante do blog, nos leva à reflexão também!

    ResponderExcluir
  4. Pois é, espere até conhecer as bichas paulistanas...

    Bravo Jarbas! Eu sou alguém que nunca vivi de marcas, visto o que eu gosto, é confortável e me faz bem. Claro que sou a favor do estilo, da individualidade, não vestir grife não significa se vestir mal.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  5. Não tenho nem palavras para comentar sobre esse ser tão alienado.

    Ele não deve saber nem o que é High low... kkkkkkk

    Beijão

    ResponderExcluir
  6. eu preciso ir conhecer esse james bar...

    qdo fui a curitiba, há milenios, só me aventurei na cats... nem sei se existe mais e se o james já existia na época!

    ResponderExcluir
  7. palmas/

    chorei de emoção, melhor que isso só se após sua saída eu aparecesse desse um tapa na cara da bichinha mequetrefe e em seguida jogasse alcool na cara dela e a visse carboinizando sem que as pessoas pudessem fazer NOTHING. kkkk

    Querido, o lance é esse, chega de nos rendermos a o que essas mentes ocas acham, também me jogo na C&A sem problemas e saio muito mais fino do que muita gente que usa G.A sem estilo.

    Beijos ficaadica!

    ResponderExcluir
  8. eu tb uso riachuelo, e adoro algumas peças de lá... C&A não muito

    ResponderExcluir
  9. Oi, adorei o texto! Só uma coisa chata, acho que estão te copiando: http://nostalgiaindispensvel.blogspot.com/2010_07_01_archive.html

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. ah, é tão triste conhecer pessoas desse tipo. Ainda bem que vc tem jogo de cintura!

    ResponderExcluir
  11. A-M-E-I a resposta q vc deu! Super eficiente e fina.
    Vou te falar, é cada criatura q aparece pra tentar estragar nossa diversão...
    Vou dizer uma coisa, tenho uma camiseta da C&A que ganhei de aniversário e acho ela tudo, veste super bem em mim. Sempre arraso com ela.
    Bjo!

    ResponderExcluir

agora me conte você…