sábado, 2 de maio de 2009

...por impulso, sem motivo ou lógica racional

desci do ônibus vazio de gente, atravessei a rua. um carro, outro carro, uma moto. eu parado na esquina. olhava a outra extremidade da rua, tão reta, tão calma, tão vazia, tão clichê... o barulho do vento nos fios acima de mim. o silêncio incomodo. meus músculos se contrairiam, tomei coragem, respirei fundo e me movi, corri. não saberia responder por que fiz isso, só fiz... corri e agora sei que há certas coisas que são assim, acontecem, são feitas [ou não - o que é pior].

[...]

eu correndo, o vendo frio, a loja de ração, a calçada suja auto mecânica, o brechó e a sorveteria, passei rápido, veio a igreja, a outra igreja, a floricultura, o muro quebrado, a casa do cachorro de três patas - e eu correndo - um turbilhão de pensamentos, e o vendo frio na cara, e o vento frio penetrando na roupa, cortando minha pele como navalhas. senti o sangue quente circulando incomodo nas veias, e o coração batendo rápido, mais rápido... e o coração batendo mais rápido? sim! eu ainda estou vivo.

o portão da casa, chave no cadeado, giro, entro, tranco... respiração ofegante, atravesso a garagem, e diante da porta do quarto que durmo, mão na maçaneta, puxo para baixo, entro, sento na cama, arranco o sapato, e o coração batendo forte, sim eu estou vivo e eu quero sentir algo.

titulo by - Jean; [via MSN]

13 comentários:

  1. Hallo Sir!

    meu, isso é cinestésico, é de sentir mesmo o sangue e o vento, montei tudo na minhja cabeça, incrível!

    ResponderExcluir
  2. Essa cena merece ser filmada por Fernando Meireles.

    ResponderExcluir
  3. Gente, o que motivou essa maratona particular? oO

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. que bom...
    feliz vida pra vc seu jarbas...
    e sinta sempre tudo, nunca queira se esquivar de sentir, mesmo que por um momento, doa, machuque.
    Viva!
    bjus
    p.s.: pq desistiu de ser arquiteto?

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto... o que me lembra que eu preciso procurar uma academia neh, já que a Parada está chegando, hauahuaa!

    Confesso que achei que tinha sido um outro croquete, abafa!

    ResponderExcluir
  6. Nossa,Jarbas,mas o que houve?? Pq a correria??

    Abração!

    ResponderExcluir
  7. uau!!!! quanta correria. vc ta bem?

    ResponderExcluir
  8. que viajem...
    sai correndo por ai...
    um dia vou fazer isso...

    ResponderExcluir
  9. Ainda bem q está vivo para nos contar histórias assim tão peculiares e boas de se imaginar.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Tem coisas que realmente não se consegue explicar, apenas sentir. :D

    ResponderExcluir
  11. Jarbas!
    Estava com saudades de você em meu humilde blog....
    ;)

    Olha...
    A vida corrida nos faz realmente sentir isso...
    A violência fora do nosso lar, nos faz em determinados momentos, querer correr pra casa e ficar apenas no conforto de nossa própria e única presença.Refletir em sermos nossos únicos companheiros, depois de sentir o coração quente batendo forte, e o vento frio do mundo, mostrar o quanto é ruim não sentir ou ter sentir que algo nos falta...



    bjos
    Uma Iluminada semana pra vc!

    ResponderExcluir
  12. agora entendi o título
    hehehe

    ResponderExcluir

agora me conte você…